Blog da Ploomes
Internet das Coisas na Indústria

Internet das Coisas na Indústria: Aplicações e Exemplos

A evolução da tecnologia permitiu dispositivos cada vez menores e com maior poder de processamento. Os celulares foram os principais dispositivos impactados por esse avanço, mas não foram os únicos.

Diversos eletrônicos, veículos e até eletrodomésticos possuem, hoje, conexão à internet, de forma que as “coisas” passaram a fazer parte da rede também. A esse fenômeno foi dado o nome Internet das Coisas, objetos capazes de coletar e processar informações online sobre e para seus clientes.

Da mesma forma, a presença da automação na indústria avança cada vez mais. Sensores, instrumentos e outros recursos de monitoramento e controle na produção já são comuns em muitas fábricas e evoluem cada vez mais em complexidade e recursos.

Entenda aqui como a automação pode trazer a Internet das Coisas para a indústria e quais são as vantagens possíveis o desenvolvimento da Indústria 4.0.

Internet das Coisas x Internet das Coisas na Indústria

Primeiramente, é importante ressaltar que, embora a Internet das Coisas para o consumidor físico tenha algumas semelhanças com a Internet das Coisas na Indústria, elas têm diferenças marcantes.

Isso porque a IoT (Internet of Things) vai extrair dados de diversas fontes, buscando extrair o máximo de informações possíveis. A IIoT (Industrial Internet of Things), por sua vez, também vai extrair dados massivos, mas vai estruturar um processo completo.

Portanto, o uso desse recurso vai visar não apenas a digitalização e geração de dados, como a interconexão entre os diferentes processos do fornecimento de um produto.

A produção é apenas uma parte da cadeia produtiva e é necessário que o fluxo de trabalho seja cada vez mais reduzido. A matéria-prima precisa estar sempre à disposição, a demanda precisa ser clara e robusta e a logística precisa estar pronta para transportar o produto no menor tempo possível.

Como a Internet das Coisas age na Indústria

A presença de tecnologia como ferramenta de integração não é novidade para a indústria. O ERP unifica a base de dados e redes internas podem ser utilizadas para facilitar a comunicação entre os colaboradores.

Agora, além de uma base de dados integrada, é possível fazer uma quantidade massiva de dados que trabalhem por você. Dessa forma, a Big Data também tem um papel importante aqui.

Uma estrutura de Big Data vai receber os dados extraídos das máquinas para que o gestor consiga fazer relatórios da produção, agilizando a tomada de decisão e a execução de melhorias ou correções.

Contudo, estabelecer métricas não é suficiente, é necessário meios para melhorá-las e é aí que a Internet das Coisas na Indústria torna-se essencial.

Veja abaixo como ela é aplicada em diferentes setores:

Produção

O avanço da Indústria 4.0 não requer apenas novas tecnologias, como novas políticas de produção. O modelo de produção enxuta vai estabelecer uma produção puxada pelo cliente, determinada pela demanda imediata, ao invés de “empurrar” os produtos feitos em massa.

Isso significa eliminar o método de produzir muito para sempre ter estoque à disposição do cliente. Então como ter uma disponibilização rápida de produtos para não insatisfazer o cliente? Com processos automáticos e uma base de dados bem alimentada que permita a previsão da demanda a longo prazo.

É a aplicação da Internet das Coisas na indústria que vai permitir uma linha de produção rápida, eficiente e autônoma, extraindo informações da base de dados e de outras máquinas para melhorar a confiabilidade dos dados e integrar processos.

Essa “comunicação” entre máquinas é a chamada M2M (Machine-to-Machine ou, em português, Máquina para Máquina). Se um cliente pede um produto com as especificidades X, Y e Z, o sistema informa esses dados às máquinas, que conversarão entre elas para fazer a produção e passar essa informação para o setor de logística, que vai transportar o material.

Internet das Coisas na Indústria Dados
Acompanhamento de dados de produção interconectados e em tempo real

E em cada etapa desse processo, os dados serão transmitidos para uma central, que possibilitará o acompanhamento em tempo real pelo gestor. Dessa forma, o gestor identifica possíveis gargalos e deficiências em bem menos tempos, economizando recursos e fazendo melhor uso deles.

Da mesma forma, esses dados podem ser utilizados para o aprendizado das máquinas, que podem ser ensinadas a utilizar menos recursos e a manter a qualidade.

Posteriormente, com uma base de dados robusta de todo o processo produtivo, é possível fazer simulações virtuais, representações fidedignas, do seu chão de fábrica.

Assim, ao invés de implementar uma melhoria para testar seus resultados, é possível testar seu impacto antes nas simulações. Caso ela tenha sucesso no modelo virtual, só então será aplicada.

Manutenção

Da mesma forma que a Internet das Coisas na Indústria fornece uma estrutura melhor de controle, ela propicia melhores condições de monitoramento.

Hoje, a automação já gera dados para a manutenção preditiva analisar o desempenho das máquinas e orientar sua equipe. Como o acompanhamento é feito em tempo real, isso reduz consideravelmente a probabilidade de falhas.

Contudo, com a Internet das Coisas, é possível fazer com que o próprio sistema seja capaz de avisar sobre os problemas de forma preventiva.

Caso seja identificado que uma máquina esteja estressada durante seu desempenho, o sistema é capaz de alertar a manutenção sobre esse problema e até enviar o dado para logística, com o intuito de programar a compra dos materiais para um eventual reparo.

Além disso, se combinada com Machine Learning, as próprias máquinas podem aprender como distribuir o esforço na linha de produção. Dessa forma, os próprios equipamentos aumentam a vida útil dos ativos e economizam recursos, como energia e material utilizados na produção.

Aqui, assim como na produção, também é possível aproveitar os dados gerados pela Internet das Coisas para gerar simulações virtuais. O diferencial seria que, pra a manutenção, o foco seria prever como as máquinas se comportariam sob condições de desgaste, como chuva ou calor intenso.

Segurança

Se você está preocupado com o armazenamento de toda essa informação, a digitalização da sua operação é mais uma proteção que uma vulnerabilidade. Isso porque os servidores em nuvem contam com uma série de proteções como:

  • Firewalls
  • Antivírus
  • Criptografia
  • Autenticação
  • Entre outros dispositivos de segurança da informação

Essa série de bloqueios barra a intrusão de pessoas mal-intencionadas e é mais eficaz que apenas manter redes internas.

O registro de cada acesso é outro recurso de Internet das Coisas que beneficia as indústrias. Uma vez que tudo está conectado, o administrador da rede sabe o que foi acessado e por quem foi acessado. Portanto, é muito improvável que um vazamento de informações passe despercebido.

Logística

Como dissemos anteriormente, o processo produtivo não se resume apenas à produção. A logística também pode se beneficiar da Internet das Coisas na Indústria.

É possível, por exemplo, fazer o acompanhamento em tempo real da entrega de matéria-prima junto ao fornecedor, sabendo precisamente quando os materiais vão chegar.

Internet das Coisas na Indústria Logística
Um sistema prático de controle de estoque mantém o dinamismo da indústria

Além disso, com a integração com o setor produtivo, é possível fazer um estoque dinâmico, com compras automáticas de materiais para evitar escassez e pronta-disponibilidade para o envio de produtos.

Se a sua logística sabe quanto deverá ser entregue e quando, fica mais fácil preparar condições para embalagem e disponibilização de frota.

Depois, com o produto em trânsito, é possível acompanhar a entrega, verificando se há atrasos ou extravios por meio de beacons. Eles são pequenos dispositivos magnéticos que permitem o acompanhamento de veículos, produtos ou até colaboradores em tempo real.

Também há atualmente plataformas que disponibilizam esses beacons e são capazes de gerar relatórios a partir dos dados desses aparelhos sobre as rotas ou movimentações necessárias tanto para a logística interna quanto externa. Exemplo de software voltado para isso é o oferecido pela Novidá, um sistema de gestão da produtividade.

Dados sobre qualquer coisa, a qualquer hora e em qualquer lugar

O que a Internet das Coisas na Indústria fornece é um meio digital, totalmente conectado e dinâmico, que age em conjunto com uma produção flexível e eficaz.

Dessa forma, ele é também acessível e seguro, podendo ser acessado em diferentes dispositivos que tenham permissão para o acesso.

Ter informações disponíveis de maneira fácil e intuitiva é importantíssimo para qualquer empresa e, nas indústrias, é parte essencial da segurança e eficiência do processo como um todo.

Portanto, esse é mais um recurso essencial da chamada Indústria 4.0, mas que demanda uma série de recursos para adoção. É importante que o gestor saiba em que estado sua fábrica está de desenvolvimento em tecnologia para, assim, cogitar qual o melhor meio de evoluir sua indústria e manter-se concorrente no segmento.

Avatar

Ploomes Sistemas Empresariais

Sistema de automação da força de vendas.
CRM, Funil de vendas, Automação de Propostas e Pedidos de Vendas em um só lugar!

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Facebook
Facebook
YouTube
LinkedIn
Instagram
Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial