Blog da Ploomes
Fábricas inteligentes

Como transformar indústrias em Fábricas Inteligentes?

Smart Factory ou Fábricas Inteligentes é um conceito amplo desenvolvido na Indústria 4.0. Ele envolve fábricas com sistemas ciberfísicos totalmente integrados e capazes de responder às mudanças da demanda de forma imediata.

O termo foi criado a partir da percepção sobre uma série de avanços tecnológicos que não afetam apenas as indústrias, mas todo o mercado.

Automações, Internet das Coisas, máquinas industriais de ponta e Big Data são apenas alguns exemplos de tecnologias incluídas na implementação do conceito de Fábricas Inteligentes.

Quer saber como cada um desses recursos podem ajudar sua fábrica a ficar mais eficiente e como implementá-los? Então continue lendo abaixo:

Fábricas Inteligentes, o que são?

Provavelmente você já deve ter ouvido falar sobre Lean Manufacturing. Essa metodologia industrial estabelece uma produção “puxada” onde o cliente é que define a demanda, permitindo maior personalização dos produtos e redução de desperdícios.

A concepção de Fábricas Inteligentes vai estabelecer que, para otimizar esse método, todo o processo de disponibilização de um produto deve estar integrado a processos digitais que registrem, alterem e conectem cada etapa.

Portanto, a tecnologia é um meio para automatizar o que já é feito hoje nas fábricas, mas de forma mais rápida, mais flexível e mais confiável.

A proposição desse novo modelo de fábrica surge a partir da evolução de recursos digitais que permitem cada vez mais a produção de dados mais robustos e a autonomia da máquina, sem supervisão humana.

Ainda é muito cedo para falar de inteligências artificias totalmente autônomas, visto que muitas máquinas apenas reconhecem padrões. Mas já é possível aplicar esses recursos para controle de qualidade de produtos e acompanhamento da operação.

Conheça abaixo alguns dos recursos necessários para as Fábricas Inteligentes:

Softwares de Automação

A operação muitas vezes exige tarefas mecânicas e repetitivas. Isso não se resume apenas à produção, é comum ver setores administrativos gerando uma quantidade considerável de documentos.

Em qualquer setor, esse tipo de tarefas é necessário, mas não precisa tomar tanto tempo dos seus colaboradores.

Fábricas Inteligentes Sistemas Integrados
Sistemas de automações fazem com que o fluxo de tarefas seja mais dinâmico

Softwares de automação são sistemas que estabelecem processos automáticos a partir de uma base de dados contendo todas as informações da empresa.

A partir da digitalização da burocracia, passa a ser possível incluir dados, gerar documentos e enviá-los, tudo de forma automática. Assim, seus colaboradores podem focar em atividades que exijam mais atenção e forneçam melhores resultados.

A presença desses sistemas é pré-requisito de Fábricas Inteligentes, porque são eles que vão conectar os diferentes setores por meio de uma base de dados integrada entre todos os setores.

Big Data Analytics

Com a evolução e expansão da internet, o número de dados gerados atualmente chega na casa do zettabyte. Em 2013, havia 4,4 trilhões de gigabytes no mundo e a perspectiva é que esse número aumente em dez vezes até 2020.

É assim que nasce o conceito de Big Data, uma quantidade massiva de dados sendo produzida a cada segundo por múltiplas fontes.

E o que está sendo feito com toda essa informação? Empresas inovadoras começaram a criar maneiras de padronizar esses dados e extrair análises valiosas deles. Isso por sua vez é o que ficou conhecido como Big Data Analytics.

A partir de ferramentas focadas nessa tarefa, é possível descobrir informações não tão evidentes (mas robustas) que podem ser aplicadas a diversas áreas. Exemplos são o acompanhamento do comportamento dos seus clientes, do desempenho de suas máquinas ou do sucesso das melhorias implementadas.

O processamento de dados é parte importante das Fábricas Inteligentes, pois é o primeiro passo para máquinas inteligentes, como veremos a seguir. Mas sua implementação depende antes de uma estrutura que gere uma quantidade massiva de dados.

Internet das Coisas (IoT)

O rápido processamento e geração de dados não gerou apenas a Big Data, como exigiu estruturas capazes de suportar essa quantidade.

E-book: guia de integração entre erp e crmPowered by Rock Convert

Com isso, as máquinas passaram a ser desenvolvidas para processar e armazenar quantidades massivas de dados e fazer a comunicação com outros computadores.

Dessa forma, descobriu-se o potencial de “ensinar” as máquinas e fazer com que elas “conversem” entre si para transmitir dados e melhorar processos.

Esses são os princípios do Machine Learning. Ao alimentar seus computadores com diversos dados e definir um algoritmo para filtrá-los, sua máquina é capaz de identificar padrões e tomar decisões autônomas a partir disso.

Atualmente essa tecnologia continua sendo razoavelmente limitada, visto que as máquinas só conseguem trabalhar com reconhecimento de padrões, mas isso já pode ser utilizado como forma de melhorar a indústria.

É possível, por exemplo, identificar defeitos ou criar linhas personalizadas, reconhecendo um produto específico e encaminhando-o para determinada seção da linha de produção.

Como transformar minha fábrica em uma Fábrica Inteligente?

A Forbes publicou um guia com quatro níveis de Fábricas Inteligentes. A partir deles é possível identificar o que precisa ser feito para avançar para a próxima etapa, veja em qual a sua indústria se enquadra:

Nível 1: dados disponíveis

Este é o nível básico, aqui a sua indústria possui dados completos sobre a operação, mas eles estão espalhados. Seja em planilhas, no ERP ou em papel, qualquer informação precisa ser buscada em mais de um lugar.

Isso prejudica o tempo de resposta para eventuais problemas e atrasa sua operação. Ao identificar esse estágio, é crucial que o gestor faça o possível para seguir para o próximo nível.

Nível 2: dados acessíveis

Aqui, os dados são integrados dentro de uma única base de dados. É importante que, uma vez unificados, todos os dados produzidos devam ir para o mesmo local e sejam facilmente acessíveis pelos profissionais responsáveis.

Para essa fase é essencial que a empresa já tenha processos digitalizados, assim é possível agilizar o acesso. Outro fator é a disponibilização de painéis e relatórios com indicadores-chave para os gestores e colaboradores envolvidos.

Dessa forma, é possível identificar gargalos e deficiências da operação e resolvê-los antes que se tornem, de fato, um problema. Contudo, esta fase ainda requer esforço para realizar a análise a partir dos dados.

Nível 3: dados ativos

No nível 3, a fábrica deixa de agir de forma reativa para fazer análises e melhorias proativas. Neste nível, é necessário ir além da base de dados integradas e trazer dados dinâmicos.

Portanto, é aqui que a indústria começa a pensar em sistemas mais modernos, como sistemas de automação e Big Data Analytics.

Uma vez que todos os dados estejam organizados e acessíveis, é necessário escalar essa produção de informações para, só então, implementar Machine Learning.

Com essas mudanças, o sistema já é capaz de lhe mostrar o que precisa ser melhorado, mas não é capaz de fazer alterações sem intervenção humana.

Nível 4: dados orientados para ação

No último nível das Fábricas Inteligentes, sua base de dados já é grande o suficiente para que as máquinas sejam capazes de identificar problemas e resolvê-los de forma autônoma.

As máquinas também precisam ser “ensinadas” a fazer correções, por isso é requerida uma quantidade ainda maior de dados.

Se sua indústria chegou até aqui, então sua operação já é capaz de desempenhar de forma autônoma. A seus colaboradores cabe apenas monitorar a execução da inteligência artificial e fazer sua manutenção.

A tecnologia como principal meio de crescimento

Como vimos acima, as Fábricas Inteligentes não precisa ser completamente autônoma, pelo menos nos primeiros níveis. Contudo, para poder evoluir sua indústria e torná-la autônoma e eficiente, é necessária uma base de dados acessível e transparente.

Os recursos da Indústria 4.0 são essenciais aqui e mostram como a tecnologia deve ser uma aliada para o crescimento deste setor econômico. A implementação de sistemas e máquinas avançadas é parte do processo de evolução natural do mercado que já vem dando os primeiros passos.

Manter a concorrência, portanto, passa a ser medido pelas ferramentas disponíveis para produzir melhor e produzir mais rápido. Saber utilizá-las é, antes de tudo, uma vantagem, mas, principalmente, uma necessidade.

Ploomes Sistemas Empresariais

Ploomes Sistemas Empresariais

Sistema de automação da força de vendas.
CRM, Funil de vendas, Automação de Propostas e Pedidos de Vendas em um só lugar!

Comentar

Siga-nos nas redes sociais

Facebook
Facebook
YouTube
LinkedIn
Instagram
Wordpress Social Share Plugin powered by Ultimatelysocial