Mapa mental: saiba como fazer um e usá-lo em projetos

Entenda o que é um mapa mental e como ele pode te ajudar a organizar ideias! Saiba como fazer o seu mapa mental e a usá-lo de forma eficaz.
Blog
12/09/2022 | 4 min
mapa mental

O mapa mental é uma ferramenta ideal para quem deseja analisar algum projeto ou estratégia de marketing de maneira mais visual. 

Ele pode ajudar na hora da brainstorm com a equipe para registrar a linha de raciocínio da campanha, por exemplo, sem perder o fluxo das ideias. 

Fácil de montar e usar, essa técnica vem ganhando espaço e, hoje, pode ser feita inclusive a partir de sites e aplicativos. Se você ainda não conhece o mapa mental ou ainda não sabe como criar o seu, basta continuar lendo este conteúdo!

O que é mapa mental?

O mapa mental consiste em criar resumos visuais a partir de palavras-chave, tendo o auxílio de ferramentas como símbolos, cores, setas, etc. Essa é uma técnica de estudos que surgiu em 1960 e se popularizou em meados dos anos 1970.

O principal objetivo do mapa mental é possibilitar uma maior associação entre informações destacadas, o que ajuda a organizar o conteúdo. 

Para quem entende melhor quando usa ferramentas visuais, ele é um ótimo aliado, uma vez que funciona como uma ficha de estudos.

A ideia é que o mapa mental apresente apenas uma visão geral acerca de um tema específico, destacando seus pontos mais relevantes. Como cria uma associação entre os conteúdos, ele ajuda a memorizar e organizar detalhes com mais facilidade.

Como fazer um mapa mental? Veja o passo a passo!

As regras para fazer um mapa mental não são muito rígidas, mas é essencial que a pessoa se adapte a um modelo que faça sentido para o seu cotidiano

Os mapas mentais são ótimos para auxiliar em projetos porque promovem uma visão mais completa do tema, mas, para isso, precisam ser feitos com atenção.

Abaixo, apresentamos o passo a passo básico para fazer o seu mapa mental. Confira!

1. Defina o tema principal

Por ser visual, o mapa mental não pode abarcar toda a ideia de uma campanha ou projeto de uma única vez. Assim, é fundamental definir o assunto antes de criar o esquema. 

Por exemplo, um mapa mental com o tema “Física” seria pouco prático. No entanto, um mapa mental com o tema “Eletromagnetismo” se torna bastante útil.

O tema principal deve ser identificado no centro da folha, em letras grandes. É a partir dele que serão puxadas setas para temas relacionados.

2. Defina os subtópicos essenciais

Todo conteúdo é dividido em partes, e o mesmo vale para o mapa mental. Por isso, deve-se definir os pontos centrais que se ligam ao assunto principal. Pense da seguinte maneira: o que você precisa saber para compreender o conteúdo de forma mais geral? Quais são os pontos mais importantes para lembrar?

No exemplo do Eletromagnetismo, os subtópicos poderiam ser: 

  • Definição;
  • Campos magnéticos;
  • Força magnética;
  • Unidades de medida.

Em seguida, coloque cada um desses subtópicos em um canto diferente da folha, para que eles não se misturem. Lembre-se de puxar uma seta para cada subtópico. Outra dica é usar cores diferentes para eles, evitando que os conteúdos se confundam.

3. Organize as informações essenciais

Dentro de cada subtópico, deve-se escrever as palavras-chave e tópicos centrais do assunto. Dessa maneira, reúne-se as informações mais importantes para cada bloco de informações, o que ajuda na memorização e na organização do raciocínio.

No tópico de “Campos magnéticos”, por exemplo, poderíamos ter informações como:

  • Interno: polo norte → polo sul;
  • Externo: polo sul → polo norte.

Já no tópico “Força magnética” poderíamos ter a fórmula para o cálculo da força, além de lembretes visuais da orientação de cada vetor.

O importante, nesta etapa, é garantir que as informações se relacionam e esclarecem o subtópico principal. Uma dica é usar as mesmas cores desse subtópico.

4. Use imagens e símbolos

O mapa mental tem como principal objetivo auxiliar a visualização de informações. Para isso, desenhos são fundamentais e fazem com que a memorização aconteça com maior facilidade.

Portanto, depois de definir os assuntos mais importantes e suas palavras-chave, não deixe de usar símbolos e imagens para relacioná-los. 

No exemplo usado, poderíamos fazer a representação de um ímã, de gráficos vetoriais e mesmo uma tabela com as unidades de medida.

É essencial que as imagens façam sentido para você, e não necessariamente para todas as pessoas. Em alguns temas, elas podem não ter nenhuma relação direta com o que está escrito, mas isso não importa — desde que você consiga absorver o conteúdo, elas estão corretas.

5. Numere cada tópico

Agora que o seu mapa mental já está completo, basta numerar cada um dos subtópicos criados. Dessa maneira, você treina o seu cérebro a pensar nas informações de modo ordenado, o que te ajuda a entender melhor a relação entre elas.

Além disso, caso você precise transformar as informações contidas no mapa mental em um texto corrido mais longo, a numeração é uma maneira de te ajudar a estruturá-lo

Pense, por exemplo, em um mapa sobre a Revolução Industrial — como esses eventos poderiam ser traduzidos para uma resposta discursiva, se necessário?

Mapa mental: confira duas dicas extras!

Você já sabe criar o seu mapa mental — muito bom! Para garantir que ele vai ser funcional e te ajudar a entender melhor o conteúdo, confira essas dicas:

  • Escreva tópicos curtos e claros, em geral ligados a termos-chave;
  • Use um código de cores e símbolos para te ajudar a entender a hierarquia das informações.

Dessa maneira, seus mapas mentais serão muito mais eficazes, e o processo de lembrar ideias de projetos fica mais simples.

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba novos conteúdos de negócios em primeira mão!

Quer receber novidades sobre vendas, marketing e gestão?

Assine a nossa newsletter e fique atualizado sobre as principais práticas de mercado para gerar novos negócios.